Fale com a ABPM (11) 98313-2324

QUARENTENA DO BEM – Boletim Informativo ABPM 702

Nº 702 - ABRIL DE 2020

QUARENTENA DO BEM

Em apenas 40 dias, um hospital é erguido em São Paulo (SP) com 100 novos leitos para atender aos casos de COVID-19. A obra, em caráter de emergência, está longe der ser temporária: a unidade de saúde, que está em funcionamento exclusivo pelo Sistema Único de Saúde (SUS), será doado para a prefeitura da capital após a pandemia e tem possibilidade até de ser ampliada. O tempo recorde para tudo isso foi possível graças a uma tecnologia que une técnicas inovadoras, agilidade industrial e sustentabilidade, com destaque para a madeira.

Chamada sistema modular, com técnica inspirada no wood frame alemão, a tecnologia construtiva é assinada pela Tecverde, empresa de engenharia instalada no Paraná, e para o projeto do hospital de São Paulo teve parceria com a Brasil ao Cubo. A obra, que foi viabilizada pela Ambev, Gerdau e Hospital Israelita Albert Einstein, realizou 750m² de área construída. O que foi produzindo em, literalmente, uma “quarentena”, iria levar em torno de seis meses no padrão de construção brasileiro, de acordo com especialistas da construção civil. O que agiliza o processo é que todo o projeto é planejado e fabricado em módulos antes mesmo de chegar ao canteiro de obras.

Nesta proposta, 70% das etapas são produzidas em fábrica, com controle de qualidade e eficiência do produto e processos da construção. No sistema modular da Tecverde são projetados painéis que utilizam madeira estrutural de florestas plantadas, com dupla secagem e tratada com preservante químico que garantem durabilidade superior a 50 anos. O fechamento destes painéis é feito com chapas OSB, que possuem um tratamento anti cupim. Além disso, sobre a chapa é aplicada a membrana hidrófuga, material que protege o módulo como uma barreira contra o calor e vapor d’água, permitindo assim a respiração dos painéis de parede Tecverde. Para a unidade de saúde, que ficará anexa ao hospital Municipal M’boi Mirim, na zona sul de São Paulo, foi utilizada a madeira Pinus Taeda e Pinus Elliotti na estrutura de paredes.

“A madeira de Pinus proporciona um excelente material para se trabalhar na fabricação de painéis de parede, pois permite processos rápidos de corte e fixação em composição com outros materiais favorecendo uma alta produtividade. É um material perfeitamente seguro para se utilizar em qualquer tipo de construção”, destaca o arquiteto Pedro Virmond Moreira, que é diretor de engenharia de produto da Tecverde.

MÃOS À OBRA

Além da urgência, as empresas envolvidas no projeto tiveram um desafio a mais: colocar em tudo em prática mantendo o isolamento social relacionado à COVID-19, conforme recomendações do Ministério da Saúde. De maneira remota, 25 engenheiros de diferentes cidades atuaram concomitantemente nos diversos setores (estrutural, elétrica, hidráulica, gases hospitalares, ar condicionado, acabamentos, entre outros). Coma a ajuda da ferramenta BIM (Building Information Modeling), um formato pelo qual é possível desenvolver projetos de diferentes disciplinas de forma interligada e inter-relacionada, para que a execução e a manutenção do edifício sejam realizadas de maneira precisa, o projeto ficou pronto em sete dias.

Em seguida, a Brasil ao Cubo iniciou a produção dos chassis metálicos, contendo painéis de piso, pilares e cobertura vedados, em sua fábrica, na cidade de Tubarão (SC). O material foi transportado até o parque fabril da Tecverde, em Araucária (PR), onde se iniciou a montagem dos módulos de ambientes que compõem o edifício, unindo, assim, as estruturas da Brasil ao Cubo com os painéis da Tecverde. A partir de então, os módulos passaram para as etapas de instalação de kits elétricos, infraestrutura para ar condicionado, forro, shaft de instalações hidrossanitárias, tratamento de juntas, impermeabilizações, revestimentos cerâmicos, louças, metais, acessórios, portas de madeira, primeira demão de pintura interna, pintura externa e vedações.

Ao todo, o novo edifício do hospital é composto de 70 módulos. Destes, 26 foram montados e acabados na Brasil ao Cubo para formar as áreas de postos de enfermagem, salas de apoio, circulação, escadas, rampas e a passarela de conexão com o prédio existente do Hospital M’boi Mirim. Os outros 44 módulos, de três tipologias diferentes, foram montados e acabados na Tecverde para formar as áreas de quartos coletivos. Após o acoplamento no canteiro de obra, estes módulos foram agrupados em blocos de 2 e 3, formando quartos coletivos de 4 a 7 leitos, sempre com um banheiro acessível.

A montagem das paredes nos chassis durou 2h (horas) por módulo. Os processos seguintes, de acabamento, gases hospitalares, instalações e pinturas, se deram em quatro dias após o início de cada módulo. Depois, foram carregados seis módulos por dia em três caminhões prancha. A produção, montagem e carregamento foram finalizados em 11 dias, com sete dias de antecedência. “A edificação realizada é de caráter permanente, no entanto permite grande flexibilidade de alterações em caso de reformas. As novas alas de leitos já são uma ampliação de um hospital existente, sendo que foi projetado para receber mais um pavimento no futuro, caso seja necessário”, reforça Pedro Virmond Moreira. O sistema construtivo e industrializado da Tecverde reduz em 85% a geração de resíduos e em 90% o uso de recursos hídricos e tem a certificação PBQP-H Nível A para execução de obras de edificações.

boletm702Hospital

Fonte: Revista Produtos de Madeira

INSPIRAÇÕES EM MADEIRA NA DECORAÇÃO

Cada vez mais a madeira tratada vem ganhando espaço na área da decoração. Em meio ao assunto sobre madeira tratada se destaca o pinus, que diferente de outras madeiras não tratadas, vem de reflorestamento e tem na aplicabilidade uma de suas principais vantagens. Além é claro, do melhor custo beneficio, fácil trabalhabilidade e ser resistente a pragas como cupins, brocas, fungos e demais insetos, que se utilizam da madeira como fonte de consumo ou sobrevivência. No link abaixo, alguns exemplos de como se utilizar da madeira na decoração e mesmo revestimento.

A Lei n. 13.969, que estabelece medidas de prevenção, cautela e redução de riscos de transmissão para o enfrentamento da COVID-19, fixam a utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Nesse link você encontra as informações do uso correto para se proteger, confira!

Expediente

Boletim informativo mensal da Associação Brasileira de Preservadores de Madeira (ABPM)
Contato: info@abpm.com.brwww.abpm.com.br
Jornalista responsável e redação: Juliane Ferreira – MtB 04881/PR
Av. Professor Almeida Prado, 532 | Prédio 11 – Sala 16 | Cidade Universitária – São Paulo (SP) – CEP: 05508-901